Laboratório Franceschi acompanha EULAR 2018

Saiba como foi o Congresso Europeu Anual de Reumatologia

A European League Against Rheumatism (EULAR) promoveu o encontro anual de 2018 em Amsterdam, na Holanda, entre os dias 13 a 16 de junho. A reumatologista Letícia Maria Kolachinski Brandão, assessora médica do Laboratório Franceschi, participou do evento e elenca os temas abordados na palestra de highlights. Confira abaixo:

“Um dos momentos mais esperados do congresso é a aula de highlights do programa científico do PARE (People with Arthritis and Rheumatism), quando são apresentados os tópicos de destaque do evento. Este ano, a missão ficou sob a responsabilidade da médica Elena Nikiphorou, reumatologista e pesquisadora no Kings College, em Londres (UK), membro do comitê executivo do EULAR no Emerging EULAR NETwork (EMEUNET). A brilhante apresentação citou as principais produções científicas do congresso, seguida de muitas trocas de opiniões entre os especialistas.

Seguem as conclusões para reflexão:

 

  • Artrite reumatoide (AR): quem não atinge remissão da doença? Segundo dados da coorte canadense apresentada, obesidade, cigarro e outros, pioram a resposta terapêutica em diferentes níveis. Comportamentos saudáveis são muito importantes no controle da AR, tornando essencial motivar pacientes a perder peso e cessar tabagismo;
  • Drogas na artrite reumatóide: os dinamarqueses defenderam a associação de hidroxicloroquina com outras drogas modificadoras do curso da doença (DMARDs), através de estudo mostrando redução da mortalidade, inclusive por causas cardiovasculares. Estes resultados justificam a utilização de hidroxicloroquina na artrite reumatóide, mesmo sendo seu efeito limitado na atividade de doença;
  • Novas drogas: Baricitinib (inibir seletivo de JAK1 e JAK2) funciona no lúpus eritematoso sistêmico (LES)? Tem reduzido as taxas de flares no LES, com melhora clínica significativa. Aparentemente uma droga segura, que demandará mais estudos, mas que tem se mostrado uma promessa no futuro próximo;

A sessão foi encerrada pela pesquisadora holandesa Yvonne van Eijk-Hustings que defendeu a importância de divulgar informação no âmbito reumatológico e a realização de intervenções em todos os níveis de saúde, uma vez que a demora da ação dos profissionais pode acarretar em atividade de doença prolongada e difícil remissão. As soluções enfaticamente abordadas foram aumentar informação, promover mudanças no estilo de vida (inclusive dos profissionais de saúde), saúde digital, educação continuada e motivação à prática de atividade física.

‘DO NOT DELAY! CONNECT TODAY’

 

 

Caso tenha interesse em mais detalhes a respeito dos dados e estudos descritos, entre em contato com nossa assessoria médica. Estamos à disposição para ajudá-lo e trocar informações!”

Dra. Letícia Ma. Kolachinski R. Brandão – CRM SP 164.035

Especialista em Reumatologia pela Sociedade Brasileira de Reumatologia

Assessora médica do Laboratório Franceschi