12/05 – Dia Mundial da Fibromialgia

A Fibromialgia é uma síndrome clínica que se manifesta, principalmente, com dor no corpo todo. Os pacientes costumam dizer que não há nenhum lugar do corpo que não doa. Junto com a dor, surgem sintomas como fadiga (cansaço), sono não reparador (a pessoa acorda cansada, com a sensação de que não dormiu) e outras alterações como problemas de memória e concentração, ansiedade, formigamentos/dormências, depressão, dores de cabeça, tontura e alterações intestinais.

Hoje, com técnicas de pesquisa que permitem ver o cérebro em funcionamento em tempo real, descobriu-se que pacientes com Fibromialgia realmente estão sentindo a dor que dizem sentir. Mas é uma dor diferente, em que não há lesão no corpo, e, mesmo assim, a pessoa sente dor. É uma doença frequente, sendo que no Brasil está presente em cerca de 2% a 3% das pessoas. Acomete mais mulheres que homens e costuma surgir entre os 30 e 55 anos. A depressão é muito frequente na Fibromialgia, estando presente em até 50% dos pacientes.

O diagnóstico é totalmente clínico e é feito através dos sinais e sintomas. O seu médico pode pedir exames para excluir doenças que se apresentam de forma semelhante à Fibromialgia ou ainda para detectar outros problemas que podem ocorrer junto e influenciar na sua evolução.  Além dos muitos benefícios à saúde, a atividade física é reconhecidamente um método não medicamentoso de grande impacto na melhora da dor, do humor e da qualidade de vida dos pacientes com Fibromialgia. Com o tratamento atual, é possível a pessoa experimentar ficar sem dor ou com a dor em um nível muito baixo.

O tratamento é realizado de diversas formas e inclui atividade física orientada, terapia cognitiva-comportamental e o uso de alguns medicamentos para depressão ou convulsão que auxiliam no controle da dor. Em caso de dúvidas, converse com o seu reumatologista!

 

Fonte: Sociedade Brasileira de Reumatologia