Coronavírus: o que sabemos até agora?

Coronavírus é uma família de vírus que causa infecções respiratórias e, até as últimas décadas, raramente causava doenças mais graves em humanos do que o resfriado comum. A maioria das pessoas se infecta com os coronavírus comuns ao longo da vida, sendo as crianças pequenas mais propensas a se infectarem com o tipo mais comum do vírus. Os coronavírus mais comuns que infectam humanos são o alpha coronavírus (229E e NL63) e beta coronavírus (OC43, HKU1). No entanto, outros tipos de coronavírus como o MERS-COV e o SARS-COV já foram responsáveis pelo surgimento de epidemias com grande potencial de disseminação e ocorrência de complicações graves e alta mortalidade.

O novo coronavírus, identificado pela primeira vez na China em 31 de dezembro de 2019 e chamado de SARS-CoV-2 já é responsável por ocasionar doença (COVID-19) em 105 países, contabilizando 109.578 casos e 3.809 mortes, sendo a maioria na China.

O vírus causador da COVID-19 pode se propagar de pessoa para pessoa por meio de gotículas do nariz ou da boca que se espalham quando uma pessoa com COVID-19 tosse ou espirra. A maioria dessas gotículas cai em superfícies e objetos próximos – como mesas ou telefones. As pessoas também podem pegar COVID-19 se respirarem gotículas de uma pessoa com COVID-19 que tosse ou espirra. É por isso que é importante ficar a mais de 1 metro de uma pessoa doente.

O período de incubação, em média varia de 2 a 7 dias, em alguns casos podendo chegar até a 16 dias ou mais. Diante disso, para fins operacionais seguiremos o recomendado pela OMS (Organização Mundial de Saúde) e Ministério da Saúde considerando o período de até 14 dias. A transmissibilidade dos pacientes infectados por SARS-CoV-2 é em média de 7 dias após o início dos sintomas. Até o momento, não há informação suficiente de quantos dias anteriores ao início dos sinais e sintomas que uma pessoa infectada passa a transmitir o vírus. Não há, tampouco, informações precisas de quanto tempo o vírus permanece viável em superfícies (algumas horas a vários dias).

A maioria dos casos até o momento, são considerados leves e/ou moderados, com uma minoria de casos considerados graves. Cerca de 25% dos pacientes já apresentam alguma condição clínica anterior, como hipertensão, diabetes, entre outras. Nesses casos, a doença pode evoluir com maior gravidade, assim como em pacientes com idade superior a 60 anos. Estudos indicam que cerca de 5% dos pacientes precisam de assistência médica em UTI (unidade de terapia intensiva) e que a letalidade associada ao novo coronavírus varia entre 1,4-2,7%, índice inferior aos coronavírus SARS e MERS.

A definição de caso suspeito depende das características clínicas e do histórico de viagem ou contato com casos suspeitos e/ou confirmados. A classificação atual de casos suspeitos pelo Ministério da Saúde define:

. Febre E pelo menos um sinal ou sintoma respiratório (tosse, dificuldade para respirar, batimento das asas nasais entre outros) com histórico de viagem para área com transmissão local, de acordo com a OMS, nos últimos 14 dias anteriores ao aparecimento dos sinais ou sintomas.

Ou

. Febre E pelo menos um sinal ou sintoma respiratório com histórico de contato próximo de caso suspeito ou confirmado para o coronavírus. (COVID-19).

O diagnóstico é realizado através da técnica de biologia molecular (RT-PCR) a partir de amostras de secreção coletadas das vias aéreas superiores (nasal e oral).

As medidas de proteção são as mesmas utilizadas para prevenir doenças respiratórias, como: se uma pessoa tiver febre, tosse e dificuldade de respirar, deve procurar atendimento médico assim que possível e compartilhar o histórico de viagens com o profissional de saúde; lavar as mãos com água e sabão ou com desinfetantes para mãos à base de álcool; ao tossir ou espirrar, cobrir a boca e o nariz com o cotovelo flexionado ou com um lenço – em seguida, jogar fora o lenço e higienizar as mãos. Evitar tocar nos olhos, boca ou nariz, antes da higienização das mãos.

O uso de máscara está indicado apenas em algumas situações como as seguintes:

. Pessoas com sintomas respiratórios, como tosse ou dificuldade de respirar, inclusive ao procurar atendimento médico;

.Profissionais de saúde e pessoas que prestam atendimento a indivíduos com sintomas respiratórios;

. Profissionais de saúde, ao entrar em uma sala com pacientes ou tratar um indivíduo com sintomas respiratórios.

O uso de máscaras não é necessário para pessoas que não apresentem sintomas respiratórios.

Até o momento não existe tratamento antiviral específico para o novo coronavírus, devendo cada caso ser avaliado pelo médico para definir a existência de sinais de gravidade e necessidade de hospitalização.

O Laboratório Franceschi disponibiliza a realização do teste específico para coronavírus (RT-PCR), no entanto, ressaltamos que pacientes com febre, sintomas respiratórios e histórico positivo de viagem para o exterior, bem como contato com caso suspeito e/ou confirmado, procurem assistência médica nos estabelecimentos de saúde referenciados. Esta orientação busca garantir melhor assistência ao paciente com sintomas e proporcionar maior segurança aos demais pacientes que frequentam os estabelecimentos do Laboratório.

Nos casos em que houver solicitação do exame de forma ambulatorial (proveniente de consultório médico), orientamos que a mesma seja realizada, obrigatoriamente, pelo médico do paciente após avaliação clínica detalhada e avaliação de histórico de viagem ou contato próximo a casos suspeitos e/ou confirmados. Nestes casos, a equipe do Laboratório irá proceder com a  coleta domiciliar.

 

Dra Maria Jose Kassab Carvalho – CRM 140034

 

Fonte: Ministérios da Saúde / OPAS-OMS / The New England Journal of Medicine

 

ATENDIMENTO AO PÚBLICO

No Laboratório Franceschi estamos totalmente empenhados em receber os nossos clientes com a máxima segurança e bem-estar, e também para nossa equipe, fornecedores e parceiros. Gostaríamos de informá-los de que estamos monitorando a situação do coronavírus (COVID-19) e ouvindo atentamente às perguntas e preocupações que recebemos de clientes como você, mantendo o mesmo padrão de qualidade no atendimento a todos os nossos clientes.

. Estendemos a oferta de COLETA RESIDENCIAL para a cidade de Campinas. Para mais informações, entre em contato com nossa central de atendimento: (19) 3514-5000

. Antes de se dirigir a uma Unidade, entre em contato conosco. Tire suas dúvidas com nossa central de atendimento: (19) 3514-5000