Dia Nacional da Doação de Órgãos

O dia 27 de setembro foi escolhido para chamar a atenção das pessoas sobre a doação de órgãos e tecidos. Essa data foi instituída pela lei número 11.584/2.007 com o objetivo de salvar muitas vidas. Segundo o Ministério da Saúde, em 2018 houve um crescimento de cerca de 7% no número de doadores efetivos de órgãos.

Hoje, o Brasil é referência mundial na área de transplantes e, números absolutos, o Brasil é o 2º maior transplantador do mundo, ficando atrás apenas dos Estados Unidos. Apesar de estar entre as referências, um estudo feito pela Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) mostrou que a falta de compreensão de morte encefálica, falta de preparo da equipe para fazer a comunicação sobre a morte e religião.

O que é o transplante de órgãos e tecidos?

Este é um procedimento cirúrgico que pode ser feito por meio da doação de coração, fígado, pâncreas, pulmão, rim, medula óssea, ossos, córneas, entre outros.

Quando e como pode acontecer a doação?

É possível doar órgãos e tecidos para familiares e até para pessoas que você não conheça. Alguns órgãos, como um dos rins, parte do fígado, parte da medula e parte dos pulmões, podem ser doados ainda em vida, desde que compatíveis com o receptor. Para definir essa compatibilidade, são feitos vários exames que determinam essa decisão. No caso de doadores que não parentes, é preciso uma autorização judicial prévia.

Já no caso de doadores que já faleceram, normalmente são pacientes com quadro de morte encefálica, que interrompe a irrigação sanguínea para o cérebro. A morte encefálica é irreversível e tem caráter definitivo. Os órgãos que podem ser doados nesses casos são rins, coração, pulmão, pâncreas, fígado e intestino. Os tecidos são córneas, válvulas, ossos, músculos, tendões, pele, veias e até artérias.

O processo de doação de órgãos

Se existe um doador em potencial e a família autoriza a doação, a Central de Transplantes inicia os testes de compatibilidades com os  pacientes que estão em uma fila de espera. Quando existe mais de um receptor, a decisão passa por critérios como tempo de espera e urgência do caso. As equipes de transplantes adotam todas as medidas necessárias para viabilizar a cirurgia rapidamente e salvar vidas, acompanhada de uma equipe multidisciplinar. Então, os órgãos são retirados e transplantados.

Como ser um doador?

Hoje, não há nenhuma declaração em vida é válida ou necessária. Não existe um cadastro de doadores de órgãos e também não é mas válido a declaração em documentos de identidade e carteiras de habilitação. Para ser um doador, é preciso conversar com os seus familiares e expressar que essa é a sua vontade até mesmo antes de ter algum tipo de doença. Apenas os familiares de primeiro grau podem autorizar a doação.

Redome

O Redome (Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea) é o canal para quem pretende doar medula óssea ainda em vida. Para ser um doador, basta colher uma amostra de sangue e preencher o cadastro. Assim que houver um paciente compatível, o doador é convocado para realizar o transplante. É fundamental manter os cadastros atualizados no site para que esses perfis sejam traçados e encontrados com facilidade.