Outubro Rosa: quando o câncer atinge uma das partes mais importantes do corpo feminino

O mês de outubro é conhecido há anos como Outubro Rosa. O objetivo é conscientizar as mulheres sobre o câncer de mama. Apesar deste ser um assunto debatido anualmente, com a pandemia do novo coronavírus, alguns desafios surgiram neste ano. Uma pesquisa feita pelo Ibope Inteligência, a pedido da Pfizer, mostrou que 62% das mulheres deixaram de fazer exames de mamografia este ano.

Os seios são uma das partes mais importantes do corpo feminino. Quando você é um bebê eles são um elo com sua mãe, fonte de energia e de vida. Quando você se torna criança, ganha a liberdade de andar com eles a mostra e aproveitar todas as brincadeiras de forma livre. Crescemos e o primeiro sutiã vem como uma data marcante para qualquer garota.

Na adolescência, algumas acham ter demais e se curvam para que eles não apareçam, outras querem ter tanto que usam meias, papeis e bojos, para preencher aquele vazio que não pode ser preenchido. Símbolo de feminilidade na vida adulta, mas ao mesmo tempo de prazer. Você se torna mãe e ele passam a ser o principal laço afetivo para o seu filho com um líquido poderoso que cura a fome, acalma as dores e dá o sono. Aqui os seios também são símbolo de ternura. E o ciclo recomeça.

Os seios são a parte mais importante do corpo feminino e o câncer de mama é a doença que ainda mata mais mulheres no Brasil. De acordo com o Inca, para este ano foram estimados mais de 60 mil novos casos. Cerca de 16 mil mulheres morrem anualmente devido a esta doença. No mundo, os dados também são grandes: anualmente, mais de 1,38 milhões de novos casos surgem e quase 500 mil mulheres morrem.

 

O câncer de mama tem cura

 

Apesar dos dados alarmantes, quando a doença é detectada ainda em seu estágio inicial, as chances de cura podem chegar a 95%. Por isso, conhecer o seu corpo e frequentemente realizar o autoexame são hábitos que precisam fazer parte da rotina da mulher.

Ainda de acordo com o Inca, a mamografia é indicada para mulheres com mais de 40 anos e em idades inferiores em alguns casos específicos, e é a melhor maneira de encontrar as lesões que ainda não são palpáveis. Para as mulheres que ainda não estão nessa idade, é fundamental fazer o exame uma vez por mês, na semana seguinte ao término da menstruação.

Cada paciente é única e existem vários fatores que podem causar o surgimento da doença. Mas, os principais sintomas para se atentar são caroços nos seios ou nas axilas, alteração na pele da mama, vermelhidão ou secreções no mamilo e inchaços são sinais de atenção.

Em relação ao tratamento, muitas coisas mudaram nos últimos dois anos. Hoje eles são multidisciplinares e envolvem radioterapia, quimioterapia entre outras terapias. Segundo o Instituto Oncoguia, atualmente existem diversos recursos cirúrgicos que são menos invasivos e menos agressivos, principalmente no início da doença.

Você fez os exames necessários este ano?