Vitamina D

A vitamina D é considerada um pré hormônio e sua deficiência apresenta consequências clínicas importantes para o tecido ósseo e muscular, predispondo a doenças como a osteoporose e o aumento do risco de quedas. Além disso, tem sido estudada a contribuição da vitamina D em diversas outras condições como no melhor controle de algumas doenças autoimunes e alguns tipos de câncer.

Mas muito cuidado! Doses muito elevadas de vitamina D tem potencial de toxicidade, podendo levar ao aumento de cálcio no sangue e na urina, com potencial de consequências como perda de apetite, fraqueza, depressão, arritmias e problemas renais.

Existem grupos de risco para hipovitaminose D (níveis baixos de vitamina D no sangue) que podem se beneficiar da dosagem de vitamina D e de sua suplementação cautelosa: idosos, gestantes, lactantes, pacientes com doença renal crônica, osteoporose, síndromes de má absorção (após cirurgia bariátrica por exemplo), pacientes que usam medicações que podem interferir na formação e degradação da vitamina D (como terapia antirretroviral, glicocorticóides e anticonvulsivantes) entre outros.

Consulte seu médico para avaliar se você se enquadra no grupo de paciente que pode se beneficiar com a dosagem e suplementação cautelosa da vitamina D.